Publicidade

Publicidade
00:00:00

Destaque

Vídeos

Política

Mundo

Esporte

DF

Estrutural

Policial

Luiz Estevão chega ao 37º recurso negado no TRF3


Luiz Estevão de Oliveira Neto

Luiz Estevão chega ao 37º recurso negado no TRF3

Por Sérgio Loros

Em uma decisão significativa, com placar de 4×1, com voto vencido do relator do processo, Maurício Kato, a 4ª Sessão do Tribunal Regional Federal (TRF3) negou pedido de revisão criminal apresentado por Luiz Estevão de Oliveira Neto, o empresário que foi senador e que está preso no Complexo Penitenciário da Papuda.

A defesa do ex-senador pediu a reforma do acórdão que o condenou pelos crimes de peculato, estelionato, corrupção passiva, formação de quadrilha e uso de documento falso por desvio de recursos na construção do Fórum Trabalhista de São Paulo, entre 1992 e 1998 (MPF).Luiz Estevão de Oliveira Neto

De acordo com a assessoria de imprensa, o Ministério Público Federal apontou que essa revisional de Luiz Estevão representou a tentativa de continuar discutindo o caso na Justiça, apresentando uma espécie de 37º recurso, mesmo após o trânsito em julgado da ação.

Ele indica que não é cabível, em ação revisional, “a mera reiteração de teses já expostas e analisadas no julgado objeto de impugnação, especialmente se os argumentos do ex-senador já foram examinados e rechaçados por todas as instâncias”.

Fonte: Tudo Ok Noticiais

“A saída para evitar o endividamento é o incentivo à Educação Financeira”, diz Ana Paula Guedes

Da redação (Justiça Em Foco), com Lúcia Guerra. - sábado, 23 de junho de 2018

“A saída para evitar o endividamento é o incentivo à Educação Financeira”, diz Ana Paula Guedes
A representante do grupo Mulheres Empreendedoras Brasil, Ana Paula Guedes, participou de Audiência Pública na tarde (19/6) na Câmara Federal. Na ocasião, ela debateu sobre a PEC nº 160/2015 e as consequências na “organização financeira das famílias brasileiras".

O projeto estabelece limite de cobrança das taxas de juros, que interfere diretamente no orçamento das famílias brasileiras.

Durante a fala, a empresária, que já teve experiência de trabalho em multinacionais, defendeu a importância do aprendizado em Educação Financeira como um trabalho de base nas escolas públicas para incentivar crianças como economizar desde cedo.


Planejamento Financeiro tem que nascer da base, mas hoje as escolas públicas não têm esse ensino, essa matéria. Como podemos iniciar um planejamento financeiro se a criança desde pequena ela não sabe nem utilizar a mesada que ganha? ”, questiona Ana Paula Guedes.

Com experiência em atuação executiva, Ana Paula Guedes afirma que é necessário sair dos debates e executar ações de Políticas Públicas em prol de fomentar o conhecimento sobre Planejamento Financeiro já nos primeiros anos da escola pública.

“Tudo é base e educação, mas temos que sair da discussão e ir para a ação. Devemos nos unir e fazer acontecer. Hoje, por exemplo, cerca de 90% do funcionalismo público estão endividados e infelizmente o nosso país não é feito de gestão”, enfatiza a executiva.

Ana Paula Guedes afirma que a atual cobrança de juros é um descaso com o país e os brasileiros, e a o incentivo a Educação Financeira é uma saída para erradicar o endividamento das pessoas. O projeto tramita em caráter especial e aguarda apreciação do Plenário.

Jofran Frejat recebe PRB e abre diálogo com a frente cristã


Pré-candidato ao Palácio do Buriti pelo PR, Jofran Frejat decidiu abrir um canal de diálogo com a frente cristã representada por evangélicos e católicos. Em encontro ocorrido na manhã dessa sexta-feira (15/6), na casa do presidente do PRB e também pré-candidato ao Governo do Distrito Federal (GDF), Wanderley Tavares, o ex-secretário de Saúde manifestou o interesse em abrigar os partidos do grupo – PRB, PSC, Patriotas e Podemos – dentro da chapa já composta por PR, MDB, PP e Avante.

Além de Tavares, comandante da sigla relacionada à Igreja Universal do Reino de Deus, o encontro teve a participação de Paulo Fernando, presidente do Patriotas e ligado à Igreja Católica. Frejat avaliou como positiva a reunião.

“Eles manifestaram o interesse em compor a aliança, e nós mantemos nossa posição de agregar. No entanto, o PR ainda possui questões pendentes, tanto nacionais quanto locais. Vamos seguir conversando”, disse o médico.
O presidente do PRB explicou que o momento é de ampliar o diálogo com todas as frentes, especialmente com a pauta das candidaturas proporcionais. “Temos o objetivo de buscar uma ampla aliança política, independentemente de lados ideológicos, porque essa divisão histórica entre direita e esquerda não representa o anseio da sociedade e, muito menos, dos partidos políticos”, avaliou Wanderley Tavares.
Fatia do bolo

Segundo a Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), os evangélicos já representam quase um terço da população do DF (30%), fato que torna o PRB peça importante dentro das composições majoritárias.

Os católicos ainda são maioria: quase 60% da população do Distrito Federal se declaram seguidores da religião, segundo dados da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD) de 2014.

Cristovam dá ultimato: com impasse no PSDB, vaga ao Buriti será do PRB




Se os questionamentos jurídicos que lançam dúvidas sobre a permanência do deputado federal Izalci Lucas à frente do PSDB-DF não forem superados, o grupo do qual ele é o pré-candidato ao Palácio do Buriti pode ter um novo cabeça de chapa. Segundo o líder da aliança formada por nove partidos, senador Cristovam Buarque (PPS), o presidente do PRB-DF, Wanderley Tavares, poderá assumir a vaga.
“A prioridade é chegarmos à conclusão do processo jurídico do Izalci ou termos o Wanderley como o nosso candidato [ao governo]. Essa é a situação”, declarou Cristovam Buarque (foto em destaque). Embora não haja prazo para definição dos nomes para disputa majoritária, o parlamentar afirma que “não pode demorar”.
A imagem pode conter: Wanderley Tavares, sorrindo, texto
Wanderley mostra-se entusiasmado com a ideia, pois tem se apresentado como pré-candidato a governador. Wanderley tem votos de membros da Universal do Reino de Deus e partes do espólio eleitoral da Assembleia de Deus e da Sara Nossa Terra. Ele declarou ao Metrópoles estar trabalhando na rua como postulante à principal cad
eira do Buriti.
Izalci Lucas tem enfrentado processos impetrados por integrantes do próprio PSDB-DF. Na última ação, correligionários pediram ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que marcasse as eleições internas locais. Apesar disso, o tucano garante ter total segurança jurídica e política, discurso sustentado pelo presidenciável do partido, o ex-governador paulista Geraldo Alckmin.
https://googleweblight.com/i?u=https://www.metropoles.com/colunas-blogs/janela-indiscreta/cristovam-da-ultimato-com-impasse-no-psdb-vaga-ao-buriti-sera-do-prb&hl=pt-BR&tg=170

Homem é alvejado e morto pela polícia na Estrutural, caso segue sendo investigado.


Homem é alvejado e morto pela polícia na Estrutural, caso segue sendo investigado.


Segundo informações da polícia militar, na madrugada desta sexta-feira (22), por volta das 00h52, a viatura de prefixo 2585, recebeu um chamado via rádio para comparecer no Conjunto 01 da Quadra 17 do Setor Santa Luzia na Estrutural, pois, uma mulher denunciou seu esposo por está armado com uma faca, agredindo algumas pessoas e ameaçando de morte e já havia até quebrado portão do vizinho.

A equipe em patrulhamento na Quadra 43 da Rua 34 do Setor Santa Luzia, deparou-se com um homem que avançou sobre os policiais com uma faca, foi constatado que o cidadão era o mesmo da ocorrência, se tratava de Eron Nunes Nepomuceno porém o mesmo já não estava no endereço citado no início da ocorrência.

Ele avançou com a faca nos policiais ainda embarcados na viatura, os policiais por sua vez disparou tiros contra o mesmo, ainda não temos informações sobre a quantidade de disparos.

Nossa equipe entrou em contato com o cunhado de Eron e o mesmo informou que a esposa ligou para a polícia para protege-lo também, pois estava bastante alterado e corria risco de morte, ainda segundo informações do cunhado, Eron correu com medo de ser pego quando viu a viatura, nesse momento foi alvejado pelas costas acertando na altura do tronco, informações essas que vão ser confirmadas com exames na autópsia.

Todas essas informações são relatos das duas partes, a polícia investiga o caso e todos esses fatos não são comprobatórios, somente uma investigação juntamente com resultado de exames vão comprovar o que aconteceu.

A qualquer momento mais informações.


Foto do blog do Halk

"Durante patrulhamento pelo setor de chácaras Santa Luzia, este prefixo de Gtop 35 Vtr 2577, se deparou com um elemento ensanguentado que ao avistar a viatura veio correndo em direção ao prefixo, o motorista acelerou para evitar que o elemento entrasse na viatura, já que ele estava bastante alterado e com uma faca em mãos. A equipe então deu a volta na rua e retornou ao local para verificar a situação, quando foram surpreendidos novamente por esse indivíduo que conseguiu entrar na viatura com a faca em maos e entrou em luta corporal com um dos policiais que estava no banco de trás do prefixo com o intuito de tomar a arma de fogo. Como não havia outro meio de deter o elemento e como havia um risco iminente do indivíduo tomar a arma do policial e alvejar algum dos integrantes da equipe, o CB F. SANTIAGO Mat. 195.636-1 que estava na função de patrulheiro efetuou um disparo que acertou o meliante, mesmo após o disparo, o agressor ainda atentou contra a vida dos policiais com a faca, porém logo após caiu ao chao, a equipe acionou a viatura do Corpo de Bombeiros UR 603 comandada pelo Sgt MARCIO BRITO MAT. 1404708 para socorre lo, porém foi contatado o óbito no local .Diante dos fatos foi feito contato com o Supervisor de dia e a equipe se deslocou para a 1° DP para registro da Ocorrência ." (Blog do Halk)

Por Francisco Gelielcon
Estrutural on-line

Policiais de MT apreendem 420 kg de cocaína da Bolívia em aeronave


Policiais de MT apreendem 420 kg de cocaína da Bolívia em aeronave

Houve troca de tiros, o suspeito foi baleado e levado para o hospital, mas não resistiu
JUDICIÁRIO Publicada: 21/06/2018 10:46:56 Autor: Nara Assis

A PF e o Gefron estavam monitorando a aeronave desde quando saiu do espaço aéreo brasileiro para buscar o entorpecente na Bolívia.

Uma operação conjunta resultou na apreensão de 420 kg de cloridrato de cocaína, na manhã desta quarta-feira (20.06), em uma aeronave que veio da Bolívia. Policiais do Grupo Especial de Fronteira (Gefron), da Polícia Federal (PF) e da Força Tática do Comando Regional VII da Polícia Militar (PM-MT) abordaram o suspeito que estava com a aeronave em solo, numa região de fazenda próxima a Denise (209 km a Sudoeste de Cuiabá).

Houve troca de tiros, o suspeito foi baleado e levado para o hospital, mas não resistiu. A equipe do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) foi acionada para conduzir a aeronave e os materiais apreendidos (droga e duas armas) para a Delegacia da PF de Cáceres (214 km a Oeste da Capital), onde será lavrado o flagrante. Os demais suspeitos conseguiram fugir pela mata, e os policiais continuam as buscas na região.

A PF e o Gefron estavam monitorando a aeronave desde quando saiu do espaço aéreo brasileiro para buscar o entorpecente na Bolívia. Assim que a aeronave retornou ao espaço aéreo brasileiro, sem plano de voo e sem declarar oficialmente o voo, foi montada a estrutura da Segurança Pública do Estado, juntamente com a Polícia Federal, para fazer a abordagem onde o avião iria fazer o pouso.

O comandante do Gefron, tenente-coronel José Nildo, ressaltou a importância da integração das forças de segurança na ação. “Na verdade, temos trabalho de forma integrada constantemente para garantir a efetividade no combate ao tráfico de drogas e outros crimes específicos praticados na região de fronteira. O envolvimento de todos é fundamental para continuarmos obtendo bons resultados, como esse, por exemplo”.

Segundo informações preliminares resultantes da operação, o destino da droga seria o Porto de Santos (SP) e, posteriormente, a Europa. O comandante do Ciopaer, tenente-coronel Juliano Chirolli, informou que a aeronave é oriunda o interior de Minas Gerais. “É um avião bimotor Seneca 2 e, assim que a PF identificou a irregularidade no espaço aéreo, definimos a operação para abordar a aeronave”

PF apreende R$ 2 milhões em busca em endereços de Aécio e aliados de Temer


PF apreende R$ 2 milhões em busca em endereços de Aécio e aliados de Temer
Polícia não especificou os locais onde o dinheiro foi encontrado

BRASÍLIA - A Polícia Federal apreendeu nesta quinta-feira R$ 2 milhões durante as buscas realizadas em endereços de aliados do presidente Michel Temer e do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). A polícia não especificou os locais onde o dinheiro foi encontrado.

A Polícia esteve hoje em diferentes endereços ligados a Aécio Neves. A operação se estendeu ainda aos gabinetes no Congresso do próprio tucano, do senador Zezé Perella (PMDB-MG) e do deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) e à residência de Andréa Neves, irmã do senador. Os imóveis de Aécio são localizados no Lago Sul, em Brasília; em Ipanema, no Rio de Janeiro; e em Anchieta (MG). Ele também tem uma fazenda no município de Cláudio, no interior de Minas. Ainda houve ordem de prisão contra o procurador da República Ângelo Goulart Villela e uma operação contra homem de confiança de Cunha, Altair Alves Pinto.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) também foi alvo de mandado de busca e apreensão. Eram procurados documentos e informações sobre um caso que tramita no Conselho acerca de uma disputa entre a Petrobras e a Empresa Produtora de Energia (EPE), de propriedade do grupo JBS e com sede em Cuiabá.
Mais cedo, por meio de nota, a PF informou que foram expedidos pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal, 18 mandados.
Na operação de hoje cerca de 200 policiais federais cumpriram 49 mandados judiciais, sendo 41 de busca e apreensão e 8 de prisão preventiva nos estados de Minas Gerais (17 buscas e 3 prisões preventivas), Paraná ( 2 buscas e 1 prisão preventiva) , Rio de Janeiro ( 3 buscas), São Paulo (7 buscas e 1 prisão preventiva), Maranhão ( 1 prisão preventiva) e Distrito Federal (12 buscas e 2 prisões preventivas).

Segundo a PF, as medidas visam coletar provas de corrupção e crimes contra a administração pública, entre outros crimes, nas investigações que tramitam no STF.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/pf-apreende-2-milhoes-em-busca-em-enderecos-de-aecio-aliados-de-temer-21358948#ixzz5J4CBnrYZ

Pré- candidata pretende valorizar os servidores do SLU


Pré- candidata pretende valorizar os servidores do SLU
A servidora pública Iris Maria dos Santos, é pioneira do Gama, cidade aonde mora há 48 anos. É atuante como Presidente da Associação de Moradores do Assentamento do Setor Oeste. Iris Maria é servidora de Carreira do Serviço de Limpeza Urbana-SLU desde 1990. Já atuou nos órgãos como Secretaria de Obras, Novacap, Administração do Gama, Secretaria do meio Ambiente SEDUMA atual SEGETH e na Administração do Riacho Fundo II

Mãe de quatro filhos, avó de dois netos, ela afirma que tem foco no trabalho e explica quais as suas principais bandeiras como pré- candidata. "Pretendo reestruturar a Carreira do SLU, para que todos os servidores sejam beneficiados e principalmente valorizados, sejam eles servidores ativos ou aposentados. Ate porque a categoria precisa de uma voz na Câmara Legislativa, que os represente para melhorar as condições de trabalho e principalmente reconhecimento salarial pelo desempenho das funções dentro do SLU em prol da população do Distrito Federal", ressaltou.

Além disso, ela relata que lutará pelo plano de saúde. "O esperado benefício será uma grande conquista para os trabalhadores não só do SLU como também para todos os Órgãos do GDF que não tiveram esse privilégio, tanto na área administrativa como na Operacional, servidores estes que tanto fazem por Brasilia", afirmou.
Como liderança comunitária do Gama, Iris pretende melhorar o transporte publico , como por exemplo, mais linhas e ampliação das frotas para atender a população. Ela quer ainda implantar um Projeto de Asfalto de Qualidade, onde mais precisa, assegurando menos transtorno aos moradores, Projeto de Restaurar Calçadas e Bocas de Lobo, e priorizar as pessoas que se deslocam a pé .

Reportagem: Geysa Albuquerque
Foto: Ascom Dep. Julio Cesar

STF inocenta Gleisi de corrupção, por provas 'raquíticas e inconclusivas'


STF inocenta Gleisi de corrupção, por provas 'raquíticas e inconclusivas'
Senadora foi absolvida integralmente, por 3 votos a 2, das acusações de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e caixa 2
Escrito por: CUT Nacional
ROBERTO PARIZOTTI


Em sessão da Segunda Turma que atravessou toda a tarde desta terça-feira (19) e entrou noite adentro, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal, por maioria, absolveu a senadora Gleisi Hoffmann (PT-SP) da acusação de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e caixa 2. Por 3 votos a 2, o colegiado absolveu Gleisi de todas as acusações. De corrupção, Gleisi foi inocentada por unanimidade.

O relator Edson Fachin e o decano Celso de Mello votaram pela desclassificação do crime de corrupção passiva para falsidade ideológica eleitoral (caixa 2). Ou seja, Mello e Fachin absolveram Gleisi de corrupção e lavagem de dinheiro, mas condenaram por caixa 2.

Mas os ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski se manifestaram pela absolvição integral e, ao contrário do decano e de Fachin, não imputaram a Gleisi nem mesmo o delito de caixa 2. O ex-ministro Paulo Bernardo e o empresário Ernesto Kugler Rodrigues também foram absolvidos.

O ministro Gilmar Mendes antecipou o voto pela absolvição integral dos réus por falta de provas suficientes para condenação. Segundo ele, a acusação se baseia em depoimentos cruzados de vários colaboradores, que se contradizem, e as demais provas são "raquíticas e inconclusivas". "Não existe juízo condenatório por probabilidade", acrescentou Gilmar.

Apesar de concluir que foi comprovado o recebimento de valores indevidos em dinheiro à campanha de Gleisi, Fachin disse no voto que a conduta não se enquadra como corrupção, mas como caixa 2, segundo o artigo 350 do Código Eleitoral.

Fachin admitiu o argumento da defesa, segundo o qual há contradições nas delações do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef. Mas, contra Gleisi, afirmou em seu voto que as declarações dos dois delatores “são uníssonas na direção de que o montante arrecadado de forma ilícita da Petrobras foi efetivamente disponibilizado à campanha da denunciada". O relator foi acompanhado por Celso de Mello.

Para se configurar corrupção passiva, a solicitação de “vantagem indevida” precisa se relacionar com atribuições funcionais do agente público. No caso, Gleisi não tinha mandato e não exercia função pública, entendeu o relator. Por isso, não pode ser enquadrada em corrupção. Esse era um dos argumentos da defesa.

Ao fazer a defesa, o advogado de Gleisi Hoffmann, Rodrigo Mudrovitsch, destacou a que o Ministério Público baseou a acusação em informações “confusas e contraditórias” de delatores.

Segundo o advogado de Gleisi, "diversos casos relatados por (Paulo Roberto) Costa tiveram desfecho de arquivo aqui no Supremo, como foram os casos de Sarney, Anastasia, entre outros".

Falando em defesa de Paulo Bernardo, o advogado Juliano Breda contestou a acusação do subprocurador-geral da República, Carlos Vilhena, segundo o qual partiram do ex-ministro petista os recursos oriundos de corrupção na Petrobras para utilização em campanha eleitoral. "Ao contrário do sustentado aqui pelo Ministério Público, não foi isso que disse Costa na delação".

Breda também lembrou que Paulo Roberto Costa mudou suas versões várias vezes . "Como é possível que um colaborador mude seis vezes a sua versão sobre um fato durante uma investigação?", disse. O defensor apontou que um dos aspectos mais graves da operação Lava Jato “é que tratam os colaboradores com uma espécie de credibilidade seletiva: só valem as afirmações que atendem fielmente às teses do Ministério Público".

A presidência foi roubada de Lula', diz Maradona na Rússia


A presidência foi roubada de Lula', diz Maradona na Rússia
"Os corruptos, lamentavelmente, vencem algumas batalhas, mas as guerras dos países são vencidas por aqueles que realmente querem bem ao povo", disse o ex-craque argentino, que está na Rússia para a Copa

Escrito por: Redação


Em pleno clima de Copa do Mundo, o ex-craque argentino Diego Armando Maradona manifestou, na rede Telesur e pelo Twitter, seu apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Meu amigo Lula, tenha muita força, porque você deu ao Brasil o que o Brasil merece”, disse.

“Os corruptos, lamentavelmente, vencem algumas batalhas, mas as guerras dos países são vencidas por aqueles que realmente querem bem ao povo. Lula, meu amigo, siga adiante, porque todos o apoiamos”, acrescentou El Pibe. Para Maradona, que está na Rússia para acompanhar a Copa do Mundo, “presidência foi roubada de Lula”.


Entrevistas

O site do presidente do PT de São Paulo e pré-candidato do partido ao governo estadual, Luiz Marinho, divulgou ontem (17) à noite uma entrevista gravada antes da prisão do ex-presidente. Durante a conversa, Lula defendeu, entre outros pontos, o legado dos governos do partido e criticou o papel da mídia contra governos considerados progressistas. “Se não falar das coisas boas que você fez (como prefeito de São Bernardo), os adversários vão falar das coisas ruins," disse Lula a Marinho.

O ex-presidente rebateu a ideia disseminada, principalmente nos estados da região sudeste de que o Bolsa Família – um dos programas mais importantes dos governos petistas – serviu para favorecer o Nordeste. “A sociedade paulista imagina que o Bolsa Família é só para o Nordeste. Somente no estado de São Paulo, são um milhão e quatrocentas mil famílias que recebem (o Bolsa Família). Investimos muito no Nordeste, mas investimos muito em São Paulo também”, disse. “As pessoas têm memória curta e a imprensa faz questão de não divulgar as coisas boas.”

Por sua vez, em entrevista à TV 247, o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha atacou a campanha contra a candidatura de Lula à presidência da República. “Quem tirar Lula das eleições manchará suas digitais na história”, afirmou. "Depois da condenação envolvendo o triplex arbitrariamente atribuído a Lula, eu espero qualquer coisa da justiça", acrescentou.

Secretaria de Cultura amplia investimento nas regiões administrativas


A Secretaria de Cultura lança nessa terça-feira (19), às 14h30, no Palácio do Buriti, dois chamamentos públicos voltados para atividades culturais nas regiões administrativas. O primeiro para os eventos Sabadão do Forró e Festival Regional de Repentistas do DF, ambos na Casa do Cantador, e o segundo para contratações de artista ou grupo musical, grafiteiro e oficineiro para o projeto Brasília de Todas as Culturas, em parceria com o Ministério da Cultura (MinC).

Confira aqui os editais:


Edital Brasília de Todas as Culturas

Anexos – Brasília de Todas as Culturas

Edital Projetos Sabadão do Forró e Festival Regional de Repentistas do DF

Anexos – Projetos Sabadão do Forró e Festival Regional de Repentistas do DF

As ações se alinham à política de descentralizações de atividades culturais promovidas desde 2015 pela secretaria, com o intuito de democratizar o acesso à cultura em todo o DF e valorização da população das regiões administrativas. Nesse sentido, os editais se somam à iniciativas como como o FAC Regionalizado, que estabelece cotas do Fundo de Cultura do DF para as RAs, além do Circuito de Atividades Circenses, Brasília Cênica, Brasília Junina e a eleição e fortalecimento de 27 Conselhos Regionais de Cultura.

O edital da Casa do Cantador selecionará 50 trios de forró para o projeto Sabadão do Forró e 9 (nove) duplas de repente para o Festival Regional de Repentistas do DF a serem realizados na Casa do Cantador em Ceilândia – DF no período de julho a dezembro de 2018.

O Festival Regional de Repentistas do DF será realizado em dois dias de evento, no qual se apresentarão até cinco duplas de repentistas em cada dia. No Sabadão do Forró serão quinze edições, nas quais se apresentarão de três a quatro trios de forró pé de serra em cada edição. Os shows terão entrada gratuita e será investido o total de R$472 mil reais na programação que dura o ano inteiro.

O segundo edital, Brasília de Todas as Culturas, é realizado em parceria com o Ministério da Cultura por meio de convênio federal, e promoverá uma oferta diferenciada de atividades culturais e artísticas para a população do DF nos meses de Julho e Agosto de 2018.

Nesta etapa, o projeto prevê o investimento de R$185 mil e enfatiza a pluralidade cultural do DF, valorizando as diversas identidades de Brasília, formada por várias linguagens e tradições do nosso país. As ações, que serão realizadas em 03 Regiões Administrativas: Samambaia, Itapoã e Santa Maria entre os dias 20 e 22 de Julho de 2018.

Serão selecionados 27 artistas e grupos musicais, sendo nove do samba, nove da cultura popular e nove do blues/soul; seis grafiteiros; seis DJs ou coletivos de hip-hop e 24 oficineiros, que deverão oferecer oficinas de percussão, catira, rabeca, pife, viola, oficina de dança, workshop de guitarra e instrumentos relacionados aos gêneros.

Por meio do incentivo à ocupação do espaço público, o projeto contribui para fortalecer o sentimento de pertencimento da população com a cidade em que vive, valorizando a produção cultural, local, gerando renda para cadeia produtiva dos diversos setores da economia, relacionados direta ou indiretamente com a cultura, beneficiando toda a população do Distrito Federal.

Brasileiros que assediaram mullher podem responder por crime na Rússia


Brasileiros que assediaram mullher podem responder por crime na Rússia
Jurista e ativista russa protocolou petição para que o Ministério de Assuntos Interiores do país investigue a conduta dos torcedores.
Brasileiros que assediaram mullher podem responder por crime na Rússia
Jurista e ativista russa protocolou petição para que o Ministério de Assuntos Interiores do país investigue a conduta dos torcedores


A repercussão negativa e a indignação geradas com o vídeo em que homens brasileiros assediaram uma mulher estrangeira no meio da rua, levaram a jurista russa Alyona Popova a denunciar o grupo formalmente na Rússia. Ela produziu uma petição contra os atos machistas por violência e humilhação pública à honra e à dignidade de outra pessoa.
O documento foi protocolado e o Ministério de Assuntos Interiores do país da Copa do Mundo deve começar a investigar o caso, inclusive com base no que foi publicado pela imprensa local e internacional. Alyona também criou um abaixo-assinado para pressionar as autoridades a tomarem alguma decisão sobre o caso
De acordo com Alyona, que é ativista feminista e uma das maiores referências no país em defesa dos direitos das mulheres,as punições para este caso podem variar de multa a restrições na Rússia. Ela afirmou ainda, na representação oficial, que os torcedores brasileiros deveriam pedir desculpas à mulher ofendida.
O vídeo foi publicado na noite de sábado (16/6). Nele, os homens se aproximaram de uma jovem, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo.

Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas.

Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo no episódio. Ao exaltar a cor da mulher, deduz-se que outros tons de pele são inferiores.

Três torcedores foram identificados no vídeo. O primeiro foi o ex-secretário de Turismo do município de Ipojuca (PE) Diego Valença Jatobá. Ele já passou por um processo público em que teve que responder ao ao Tribunal de Contas do estado, que o julgou por descumprir a Lei de Licitações (Lei Federal nº 8.666/93).

O segundo homem identificado foi Eduardo Nunes, tenente da Polícia Militar em Lages, Santa Catarina. Em nota, a PM catarinense disse que “não corrobora com esse tipo de atitude, que é incompatível com a profissão e o decoro da classe”. Além disso, vão abrir um processo administrativo-disciplinar para apurar a conduta do militar assim que ele retornar de viagem.

O terceiro torcedor é o engenheiro civil Luciano Gil Mendes Coelho, que aparece de camisa preta, à direita da imagem. Ele estaria envolvido em esquemas de desvio de dinheiro público na cidade de Araripina (PE), e foi preso na Operação Paradise, da Polícia Federal, em maio de 2015.

Coelho trabalha na empresa LG Jaicós Engenharia LTDA e é réu em ação de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público do Piauí (MPPI). O engenheiro teria superfaturado a obra de quatro quiosques na cidade de Simões (PI), tendo vencido o certame de licitações com uma oferta de R$ 96.141,83.
Veja o vídeo 

Porte de arma: O que 12 pré-candidatos à Presidência já disseram sobre uso de armas de fogo pela população


Porte de arma: O que 12 pré-candidatos à Presidência já disseram sobre uso de armas de fogo pela população

Débora Melo
Reuters e Getty Images Bolsonaro, Ciro, Marina e Alckmin têm opiniões distintas a respeito do porte de armas.

Com 62.517 homicídios registrados em 2016, o Brasil atingiu, pela primeira vez na História, a taxa de 30 mortes violentas para cada 100 mil habitantes. Foi o que apontou o Atlas da Violência 2018, divulgado no início deste mês com base em dados do Ministério da Saúde.

Do total de assassinatos, 71,1% foram cometidos com armas de fogo. Os números são alarmantes, mas os pesquisadores afirmam que o cenário poderia ser ainda mais trágico se não houvesse restrição para a posse e porte de armas no País.

"Uma verdadeira corrida armamentista que vinha acontecendo desde meados dos anos 1980 só foi interrompida em 2003, quando foi sancionado o Estatuto do Desarmamento", diz o texto do atlas. "Naturalmente, outros fatores têm que ser atacados para garantir um País com menos violência, porém, o controle da arma de fogo é central."

Embora a defesa do Estatuto do Desarmamento (Lei nº 10.826/03) seja quase uma unanimidade entre especialistas em segurança pública, a lei é criticada com frequência e propostas de flexibilização têm ganhado espaço no âmbito das eleições de 2018.

O movimento é puxado, em grande parte, pelas declarações do pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), líder nas pesquisas de intenção de voto nos cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), conforme o último levantamento do Datafolha.

Ex-militar, o deputado federal pelo Rio de Janeiro costuma dizer que é preciso "armar o cidadão de bem". Hoje, para conseguir a posse, é preciso declarar a efetiva necessidade da arma, e o pedido é analisado pela Polícia Federal.

Preocupados com o desempenho de Bolsonaro, outros candidatos têm defendido mudanças na legislação.

Antes entusiasta do Estatuto do Desarmamento, o ex-governador de São Paulo e pré-candidato ao Planalto pelo PSDB, Geraldo Alckmin, por exemplo, mudou de opinião recentemente e afirmou que, em áreas rurais, o porte de armas deve ser "facilitado". A declaração foi dada em 17 de maio, um dia depois de Bolsonaro dizer que daria um fuzil a cada produtor agrícola do Brasil. O combate à violência no campo é, hoje, uma das principais reivindicações do setor.

Para Ilona Szabó, diretora do Instituto Igarapé, é importante que o debate sobre segurança pública ganhe destaque nas eleições, "mas não há solução mágica, nem salvador da pátria". Segundo ela, a população precisa "ficar atenta aos fatos e deixar de lado os mitos".

"A ideia de que armar civis torna as sociedades mais seguras é um mito. Estudo do Ipea feito em São Paulo mostra que o aumento de 1% [na quantidade] de armas de fogo eleva em até 2% a taxa de homicídios", disse Szabó ao HuffPost Brasil.

"A evidência de países como os Estados Unidos reforça o achado: os estados americanos que têm leis de armas mais permissivas registraram aumentos acentuados em homicídios, roubos, assaltos domiciliares e acidentes envolvendo crianças", completa Szabó.

No Congresso Nacional, iniciativas para afrouxar o Estatuto do Desarmamento tramitam há anos. O PL 3722/2012 é um deles: de autoria do deputado Rogério Peninha Mendonça (MDB-SC), o projeto voltou a ser discutido no início deste ano, em meio à intervenção federal no Rio de Janeiro. Uma das sugestões do texto, que tem o apoio da "bancada da bala", é acabar com a obrigatoriedade de justificar à PF a necessidade da posse de arma.

Saiba o que 12 pré-candidatos ao Planalto já disseram sobre o porte de arma:
Álvaro Dias (Podemos)© Adriano Machado/Reuters Alvaro Dias (Podemos)

O cidadão entende que tem que portar arma para se defender legitimamente, e eu não posso negar esse direito.Álvaro Dias, em sabatina do UOL em maio.

"A incompetência do governo e a corrupção jogam no chão a segurança pública do País, e a consequência é esse desejo da legítima defesa. O cidadão entende que tem que portar arma para se defender legitimamente, e eu não posso negar esse direito", declarou Dias.
Ciro Gomes (PDT)© Adriano Machado/Reuters Ciro Gomes (PDT)

Eu não facilitarei a posse de arma para ninguém.Ciro Gomes, em entrevista no Twitter Brasil em setembro de 2017.

"O maior equívoco para enfrentar a bandidagem, a violência que nos amedronta, é imaginar que uma população armada, sem maior treinamento, vai reduzir a violência. Isso não é a experiência que a gente conhece no mundo. Os países que restringem o uso de armas têm menos violência. Eu não facilitarei a posse de arma pra ninguém porque eu sou amante da paz e quero nosso povo protegido", afirmou Ciro.
Flávio Rocha (PRB)© Bloomberg via Getty Images Flavio Rocha (PRB)

Sou contra o monopólio da força pelo Estado.Flávio Rocha, em entrevista à TV Folha em abril.

"Não sou a favor da pena de morte porque o único que pode tirar uma vida é Deus. Com relação ao desarmamento, sou contra o monopólio da força pelo Estado", disse o empresário, sinalizando que pode defender cidadãos armados.
Geraldo Alckmin (PSDB)© Adriano Machado / Reuters Geraldo Alckmin (PSDB)

Porte de arma pode ter. Na área rural, até deve ser facilitado.Geraldo Alckmin, em eventode pré-campanha em maio.

"Porte de arma pode ter. Na área rural, até deve ser facilitado. Se mora isolado, fica alvo fácil. No agro hoje, as coisas são caras, os equipamentos têm valores impressionantes. Então você atrai quadrilha. Vamos estudar tudo isso com detalhes. Não quero entrar nessa miudeza eleitoral. Precisamos verificar com seriedade", declarou o ex-governador.
Guilherme Boulos (PSOL)© Bloomberg via Getty Images Guilherme Boulos (PSOL)

[Armar a população] é um contrassenso, é um absurdo, e todos os estudos mostram isso.Guilherme Boulos, em entrevista no Twitter Brasil em abril.

"Acreditar que armar a população vai reduzir a violência é a mesma coisa que querer distribuir cachaça para acabar com o alcoolismo. É um contrassenso, é um absurdo, e todos os estudos mostram isso. Nos lugares onde as pessoas têm mais arma, isso só aumenta a insegurança porque as pessoas reagem de uma maneira mais ofensiva", disse o líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).
Henrique Meirelles (MDB)© AFP/Getty Images Henrique Meirelles (MDB)

Imaginem isso [cidadão armado] espalhado pelo País. Imaginem qualquer briga de trânsito.Henrique Meirelles, em evento com ruralistas em junho.

"Alguns dos senhores podem até preferir [ter armas] para se defender de uma invasão. É compreensível. Mas imaginem isso espalhado pelo País. Imaginem qualquer briga de trânsito", afirmou o ex-ministro.
Jair Bolsonaro (PSL)© Bloomberg via Getty Images Jair Bolsonaro (PSL)

Irresponsável o governo que desarma o cidadão de bem e deixa a vagabundagem muito bem armada. Eu quero equilibrar esse jogo.Jair Bolsonaro, em vídeo publicado no Twitterem junho.

"Irresponsável o governo que desarma o cidadão de bem e deixa a vagabundagem muito bem armada. Eu quero equilibrar esse jogo, dar o direito à legítima defesa para a população. Não é você comprar na birosca da esquina uma .40 para você, vai ter algum critério para essa questão", disse o deputado.
João Amoêdo (Novo)© Bloomberg via Getty Images João Amoêdo (Novo)

A pessoa deve ter a liberdade de portar arma, se for de seu interesse.João Amoêdo, em entrevista ao HuffPost Brasil em dezembro de 2017.

"Na questão do desarmamento, o partido já se posicionou contra. A gente acha que a pessoa deve ter liberdade de portar arma, se for de seu interesse, claro que com responsabilidade. A gente vai deixar que essa solução venha da população", afirmou o ex-banqueiro.
Lula (PT)© Rodolfo Buhrer / Reuters Lula (PT)

Tem um cidadão que acha que vai acabar com a violência dando arma, eu quero dar emprego.Lula, em entrevista concedida em dezembro de 2017.

"Tem um cidadão que acha que vai acabar com a violência dando arma, eu quero dar emprego. Se você gera um emprego, você gera um salário e consequentemente um consumidor. Um jovem empregado tem menor chance de se envolver com a violência", disse o ex-presidente.
Manuela D'Ávila (PCdoB)© Adriano Machado / Reuters Manuela D'Avila (PCdoB)

Quando os cidadãos são armados, está comprovado que as mulheres são as maiores vítimas.Manuela D'Avila, em entrevista ao Nexo em fevereiro.

"A política que resolve o tema da segurança pública não é armar os cidadãos. Aliás, quando os cidadãos são armados, está comprovado que as mulheres são as maiores vítimas. Nós precisamos equipar polícias, remunerar bem os policiais", declarou a deputada.
Marina Silva (Rede)© Bloomberg via Getty Images Marina Silva (Rede)

Não se resolve o problema da segurança distribuindo armas para a população. Isso é uma insanidade.Marina Silva, em vídeo publicado no Twitter em maio.

"Não se resolve o problema da segurança distribuindo armas para a população. Isso é uma insanidade. As pesquisas mostram que, em uma casa onde tem uma arma, o risco de acontecer uma tragédia é incomparavelmente maior. A segurança é um problema do Estado. Nós temos que treinar continuadamente nossos policiais, nós temos que valorizá-los economicamente e simbolicamente", afirmou a ex-senadora.
Rodrigo Maia (DEM)© Bloomberg via Getty Images Rodrigo Maia (DEM)

Eu acho que já está ficando madura a possibilidade de um recadastramento [revisão do Estatuto].Rodrigo Maia, em evento com ruralistas em maio.

"Eu acho que já está ficando madura a possibilidade de um recadastramento, de retirar a discricionariedade [poder de decisão da Polícia Federal sobre a liberação do porte] e ver de que forma a gente consegue, de fato, ter uma lei que garanta ao indivíduo um direito que qualquer País do mundo tem", disse o presidente da Câmara, mostrando-se favorável a ampliar possibilidades de porte de arma.

Após polêmica sobre pensão, Thyane Dantas defende Safadão


Thyane Dantas, mulher de Wesley Safadão, decidiu usar as redes sociais para se manifestar sobre o pedido de revisão de pensão feito recentemente pelo marido. Ela ainda aproveitou para defender o cantor e alegou que “ele sabe exatamente quais são as obrigações de pai”.

“Quando vocês vão entender que o que está sendo levantado não é o pagamento da pensão de um filho? Porque isso o meu marido sabe exatamente quais são as obrigações de pai, e espera poder exercer os seus direitos. O que ele pediu na Justiça cabe em seu direito e o pedido não diminui nem 1,00 do valor que se recebe. Lamentável como julgam uma situação sem conhecer por direito”.

Thyane ainda aproveitou a oportunidade para alfinetar a ex-mulher de Safadão, Mileide Mihaile. “É fácil apontar quem é a vítima no meio a tantas apelações, não é mesmo?”, concluiu.

Aritana revela que foi traída por Paulo e casal briga no Power Couple

Uma atividade criou polêmica entre Aritana e Paulo no reality show Power Couple, da Record, quando os casais tiveram que escrever cartas anônimas um para o outro no programa de segunda-feira (18). A chef de cozinha revelou que Paulo a traiu nos primeiros meses de namoro, e que ela “deu o troco”.

Em uma conversa no quarto do casal após a atividade, Paulo disse que ficou chateado pela exposição desnecessária em um programa de TV. “Isso é coisa particular nossa. Quem não nos conhece não precisa saber. Não precisa sair falando aos quatro ventos. Eu cometi erros e você também”, reclamou Paulo.

“Eu não cometi erros não, só devolvi”, rebateu Aritana, séria.

“Não estou falando disso, mas nós dois cometemos erros no relacionamento como um todo. Da próxima vez, pensa antes de falar”, reclamou Paulo.

Na Rússia para a Copa, Maluma é roubado e tem prejuízo de quase R$ 3 milhões


Maluma, que é um dos maiores nomes da música da América Latina, está na Rússia para assistir à Copa do Mundo 2018

O cantor colombiano Maluma teve itens de luxo que valiam cerca de R$ 2,9 milhões roubados do quarto de hotel no qual estava hospedado perto da Praça Vermelha em Moscou nesta terça-feira, 19. As informações são de fontes policiais russas.

Um intruso roubou itens valiosos, incluindo uma bolsa Louis Vuitton, 11 relógios de grife, joias Cartier e 10 óculos cravados com diamantes e pérolas, segundo policiais contaram ao portal RBC.

Maluma, que é um dos maiores nomes da música da América Latina, está na Rússia para assistir à Copa do Mundo 2018. A Polícia de Moscou abriu uma investigação sobre a suspeita de roubo, de acordo com a RBC e a Interfax, citando uma fonte que diz que estava no hotel Four Seasons perto do Kremlin.

Uma porta-voz do hotel não deu detalhes do incidente, mas disse à Reuters que uma investigação está sendo feita. “Nós tratamos a questão da segurança de nossos hóspedes e seus pertences com muita seriedade e imediatamente informamos a polícia”, disse ela no e-mail.

Por volta do meio dia no fuso-horário de Moscou, Maluma escreveu nas redes sociais que ele estava viajando para a cidade de Saranks, onde a Colômbia jogou contra o Japão, postando uma foto dele vestindo uma jaqueta da seleção colombiana em frente a um avião.

“A caminho de Saranks. Hoje nós vamos finalmente acompanhar nossa equipe Colômbia!”. Maluma, que é da cidade de Medellin, escreveu na rede social. Colombia perdeu de 2 a 1 para a equipe japonesa.

Estadão Conteúdo

Gleisi é absolvida das acusações de corrupção


Relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), o ministro Edson Fachin votou nesta terça-feira (19) por condenar a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, por crime de falsidade eleitoral. Ela foi denunciada por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Lava Jato.

No entanto, o ministro entendeu que a PGR (Procuradoria-Geral da República) não conseguiu comprovar o cometimento desses crimes, mas apenas a entrega de valores ilícitos para sua campanha de 2010. A pena para crime de falsidade eleitoral é mais branda do que de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro.

Essa posição foi seguida pelo ministro Celso de Mello. Dias Toffoli, que votou a seguir, acompanhou o parecer pela absolvição, em que incluiu o caixa 2 eleitoral. Para Toffoli, portanto, Gleisi teve absolvição plena.

A mesma posição foi adotada pelos ministros Gilmar Mendes e por Ricardo Lewandowski, que igualmente absolveram Gleisi de crime eleitoral, contra o parecer do relator.
Seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, e o empresário Ernesto Kugler também foram denunciados pelos mesmos crimes. Fachin votou pela absolvição de ambos. Essa foi também a posição de Celso de Mello e de Dias Toffoli.

A investigação foi aberta em março de 2015, a partir da primeira lista de parlamentares alvos da operação, que incluiu dezenas de parlamentares e foi elaborada pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot.

De acordo com a denúncia, Gleisi e Paulo Bernardo pediram e receberam propina no valor de R$ 1 milhão, paga em espécie e em parcelas, com valores que teriam sido desviados da Petrobras para financiar a campanha da petista ao Senado em 2010.

Segundo a acusação, empresas que tinham contratos com a estatal repassavam dinheiro que era arrecadado pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, que era mantido no cargo para financiar políticos.

Os valores desviados eram repassados ao doleiro Alberto Youssef, que operava o esquema na diretoria de Costa, segundo a PGR. No caso de Gleisi, Youssef, teria feito o repasse ao empresário Ernesto Kugler, de acordo com a acusação.

A Polícia Federal apreendeu uma agenda de Costa com o registro contábil do que seria pagamento de propina com a indicação “1,0 PB”. Em depoimento, Youssef disse que a anotação significa o repasse de R$ 1 milhão a Paulo Bernardo.
Segundo a PGR, o ex-ministro teria concordado em conceder permanentemente apoio político para viabilizar a indicação e a manutenção Costa na Petrobras, enquanto Gleisi foi omissa em fiscalizar os atos praticados por órgãos da administração pública. A Procuradoria pediu a condenação dos acusados e o pagamento de R$ 4 milhões como reparação de danos morais e materiais.

Durante o julgamento, o sub-procurador-geral Carlos Vilhena disse que a investigação constatou a entrega de dinheiro em espécie. “Enquanto parlamentar, líder do Partido dos Trabalhadores, do qual hoje é presidente, a senadora Gleisi Hoffmann podia, devia ter estancado a sangria que ocorria na Petrobras”, afirmou. Para ele, os autos do processo mostram que houve “flagrante e escancarada mercancia de fidelidade de agentes públicos de alto escalão”.

Advogado da Petrobras, André Tostes pediu a condenação dos réus e o ressarcimento do dinheiro público a título de reparação por dano moral à imagem da Petrobras no Brasil e no exterior.

Programa do PSOL vai defender alta de imposto para deter déficit


Um dos responsáveis pelo programa econômico do pré-candidato do PSOL à Presidência da República, Guilherme Boulos, o economista Marco Antonio Rocha, professor de economia da Unicamp, afirmou nesta terça-feira, 19, ao Estadão/Broadcastque o eixo principal do programa de governo do presidenciável é a geração de emprego com o enfrentamento do déficit fiscal. Rocha disse que a trajetória fiscal sustentável passa pela cobrança de mais impostos dos mais ricos. Segundo ele, o programa de governo do candidato já está elaborado, mas será submetido ao crivo do próprio partido antes de ser divulgado.

Sobre moradias, uma das bandeiras de Boulos, que é coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Rocha cobrou a recuperação da capacidade de concessão de financiamento, principalmente por parte de bancos públicos, como a Caixa. “Prevemos aumento progressivo do IPTU e cobrança sobre imóvel rural.”

O economista antecipou que a intenção não é provocar um rompimento absoluto com o atual modelo econômico, “mas há camisas de força em termos de crescimento que precisam ser revistas, como por exemplo, ajustes no tripé macroeconômico, revisão da meta de inflação e dos mecanismos de redução da volatilidade cambial no Brasil”, disse. “Achamos que deve ter regulação para fluxo de capital de curto prazo.”

Em relação ao câmbio, Rocha citou ainda a necessidade de uma regulação maior no mercado futuro. O professor argumentou que a reforma da Previdência não vai resolver o problema fiscal de curto prazo. Segundo ele, a dívida pública brasileira tem de entrar em uma trajetória sustentável, algo que não ocorrerá sem crescimento econômico.

Equilíbrio fiscal
Rocha destacou ainda que, em um primeiro momento, por uma questão de justiça social, o reequilíbrio fiscal tem de ser buscado através da elevação, por exemplo, da alíquota de Imposto de Renda e do aumento da cobrança de tributos que atinja a parcela mais rica da população.

Questionado sobre a política de preços para os combustíveis – origem da paralisação dos caminhoneiros no fim de maio – o economista disse que a greve refletiu os problemas neste setor. “E falo também do preço do gás de cozinha, que ‘come’ boa parte da renda das famílias e precisa ser equacionado”, afirmou. Rocha defende a revisão dessa política de preços, com regras móveis que permitam à empresa diminuir a volatilidade dos repasses, remunerar seu capital, mas sem repassar o ônus para o consumidor. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Estadao Conteudo

Aberta a temporada de ipês-roxos em Brasília


Com a chegada dos ipês-roxos, a cidade está mais florida e bonita

Em meio às discussões políticas e negociações econômicas, Brasília está mais bonita e florida. É a temporada dos ipês-roxos. Depois vêm os amarelos, os rosa e os brancos. Época de admirar a cidade. A estimativa é que existam mais de 600 mil ipês no Distrito Federal, dos quais cerca de 200 mil estão no Plano Piloto, região central.

É comum todos os dias esbarrar com alguém fotografando ou filmando um ipê. Eles estão nos tradicionais cartões-postais da cidade, como a Esplanada dos Ministérios e em frente à Catedral de Brasília. Também estão nas entrequadras e transformam o asfaltos e as calçadas em grandes tapetes de flores.

A coloração gera polêmica pois há quem fique na dúvida se as flores são rosa ou realmente roxas. Controvérsia que estimula a criatividade dos brasilienses. Os especialistas afirmam que o espetáculo das flores tem tempo curto de duração, em média, 15 dias.

Já as espécies rosa e branca só aparecem em meados de agosto. As brancas têm o período de floração ainda mais curto – de uma semana a dez dias.

O ipê tornou-se a Flor Símbolo Nacional do Brasil, com a publicação da Lei nº 6.507, em 1978.

A Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) é responsável pelas mudas de ipês que vêm dos viveiros da própria empresa. Para quem tiver interesse em ter seu próprio pé, existe a possibilidade de compra de mudas excedentes.

Fonte: Agência Brasila

Suicídio: mais de 800 tentativas foram registradas este ano no DF


OMS prevê que depressão - um dos fatores de risco - será a segunda maior causa de óbito mundial por doença até 2020
Neste ano, 804 pessoas tentaram cometer suicídio no Distrito Federal. Desses casos, 41 resultaram em mortes. As informações são do Corpo de Bombeiros e da Secretaria de Saúde. A depressão é apontada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma das principais causas do fenômeno. Mais de 300 milhões de pessoas sofrem da enfermidade, que será a segunda maior causa de morte mundial por doença até 2020, atrás apenas de males cardíacos.

Para especialistas, o método mais efetivo para evitar que quadros depressivos cheguem a suicídio é falar sobre o fenômeno. Em Brasília, serviços de apoio psicológico como o Centro de Valorização da Vida (CVV) oferecem escuta gratuita e sem julgamentos a qualquer pessoa — inclusive a sobreviventes de tentativas de suicídio e pessoas próximas — tanto pelo telefone quanto em encontros presenciais, sigilosos e em grupo.

Quebrar o tabu
“O melhor jeito de evitar que qualquer pessoa tire a própria vida é quebrar o mito de que falar sobre isso fará com que uma pessoa deprimida tenha a ideia de se suicidar”, defende a psicóloga especialista em prevenção do suicídio, Cristina Moura. “Falar abre a possibilidade de se obter ajuda”, acrescenta. Em segundo lugar, a dica é procurar ajuda especializada com psicólogos, psiquiatras ou ambos.

“Trabalhamos para evitar que a primeira tentativa aconteça, porque a partir da segunda, a letalidade sobe. O método se desenvolve”, destaca, mas pondera que os resultados com intervenções eficazes são muito bons. “Com tratamento adequado, maioria dos pacientes consegue resolver e entrar em remissão, quando não há mais o pensamento de morte”. Isso vale, inclusive, para quem nunca tentou cometer suicídio.

O fenômeno é multifatorial. “Como um copo que já está cheio e, por causa de uma gota d’água, transborda”, compara. Em cada pessoa, a capacidade de resiliência, de ter resolvido problemas prévios durante a vida, a existência de transtornos emocionais e luto são fatores que, juntos ou separados, podem ser de risco. A depressão não é determinante. “Nem toda pessoa com quadro depressivo cometerá suicídio”, esclarece a psicóloga.

Sem julgamentosFoto: Myke Sena/Jornal de Brasília.

Por meio do telefone 188, o CVV oferece apoio de graça, 24 horas por dia. A filosofia é simples: ouvir sem julgar. “É um diálogo compreensivo, no qual a pessoa pode manifestar suas angústias e alegrias”, conta a voluntária Leila Herédia.

O serviço é ampliado a quem sobreviveu a uma tentativa de suicídio, a amigos e familiares. No Grupo de Apoio aos Sobreviventes de Suicídio (GASS), a troca de experiências é um trunfo.

“O fato de poder trocar acaba favorecendo que a pessoa se abra e, como em um espelho, se veja no outro”, avalia Leila. Nos encontros, a identidade das pessoas é preservada — fator que contribui para a efetividade.

Para outro voluntário, Gilson Aguiar, os benefícios de fazer esse trabalho há 17 anos se estendem a ele próprio. “Aprender a acolher faz a diferença para todos os envolvidos. A escuta participativa pode ser aplicada em todas as áreas da vida”, afirma.

Os voluntários dedicam cerca de quatro horas da semana a atender ligações, que podem chegar a 10 em um dia. Em toda a rede CVV no DF, são 300 ligações diárias. No Brasil, o número chega a sete mil. “Quando ouvimos que alguém se sente melhor depois de conversar conosco, nosso trabalho está feito”, diz Gilson. (Colaborou Jéssica Antunes)

Saiba Mais
» A depressão é um transtorno comum no mundo todo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 300 milhões de pessoas sofrem dessa enfermidade. A condição é diferente das flutuações usuais de humor e das respostas emocionais de curta duração aos desafios da vida cotidiana. A longo prazo, pode causar grande sofrimento e disfunção no trabalho, na escola ou no meio familiar. Na pior das hipóteses, pode levar ao suicídio. Cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio a cada ano. Essa é a segunda principal causa de morte entre pessoas com idade entre 15 e 29 anos.

Serviço
Grupo de Apoio aos Sobreviventes de Suicídio
Reuniões: última quinta-feira do mês
Horário: das 18h45 às 20h45
Local: Na Asa Norte, na EQN 303/304 Norte (Igreja de São Miguel Arcanjo e Santo Expedito) e em Taguatinga, na QNJ Área Especial 06 (Casa do Caminho)

CVV
Telefone: Ligue 188

A violenta e misteriosa morte do polêmico rapper XXXTentacion em plena luz do dia na Flórida


O rapper americano XXXTentacion, que rapidamente alcançou a fama com dois álbuns de sucesso, foi assassinado à queima-roupa aos 20 anos, em plena luz do dia, na Flórida (EUA).

Na tarde de segunda-feira, XXXTentacion, nascido Jahseh Onfroy, saía de uma concessionária de motos quando dois homens armados se aproximaram do carro dele. Pelo menos um deles atirou no rapper.
Polícia no Rio encerra buscas por rapper britânico desaparecido há duas semanas
'Meu penteado me deixou careca': a rapper britânica com alopecia por tração

O crime ocorreu em plena luz do dia numa das ruas de Deerfield Beach, a 69 quilômetros de Miami.

O chefe da polícia do condado de Broward disse que, depois do ataque, os dois suspeitos fugiram numa SUV de cor escura. Os investigadores acreditam que o rapper pode ter sido vítima de latrocínio (roubo seguido de morte). Um vídeo postado nas redes sociais mostra aparentemente o corpo de Onfroy dentro do seu carro.Direito de imagemAFPImage captionXXXTentancion saía de uma concessionária quando o carro dele foi abordado e o rapper atingido por homens armados

A polícia diz que Onfroy foi levado a um hospital, onde morreu.

Ele era descrito como um artista polêmico e enfrentava acusações de violência doméstica.

XXXTentacion primeiro atraiu atenção e público ao divulgar suas próprias músicas no site SoundCloud. Ganhou fama e elogios pelo talento inovador. Com sua morte, astros do hip-hop fizeram homenagens a Onfroy.

Autor de sucessos nos EUA como SAD! e Moonlight, XXXTentacion ganhou destaque após o lançamento de seu primeiro álbum, 17, em agosto passado.Direito de imagemGETTY IMAGESImage captionXXXTentacion ganhou prêmios e atingiu a parada de sucesso

O segundo álbum, batizado de ?, entrou direto no topo no topo da parada Billboard americana em março e já foi ouvido milhares de vezes online.

Suas músicas abordavam temas como depressão e ele foi elogiado por estrelas do rap.

Mas a curta carreira de XXXTentacion foi manchada por alegações de violência doméstica.

Ele enfrentava 15 acusações criminais no momento de sua morte - incluindo uma de agressão contra uma mulher grávida.Direito de imagemGETTY IMAGES
Análise: Da infância dura a número 1

Mark Savage, especialista em música, BBC News

XXXTentacion teve uma infância conturbada e foi expulso do ensino médio por causa de brigas na escola. Ele canalizou a energia e a fúria na música.

Ele rapidamente se tornou o artista mais popular no gênero conhecido como SoundCloud Rap, definido por suas batidas lânguidas e obscuras e por absorver diversas influências.

A popularidade crescente de XXXTentacion foi notada pela indústria da música e, em outubro de 2017, ele assinou um contrato de distribuição no valor de US$ 6 milhões.

Quando o contrato foi assinado, a carreira do rapper já estava sendo ofuscada por seus problemas com a Justiça. Os fãs aparentemente não se incomodaram, colocando o último álbum do rapper no topo das paradas de sucesso dos EUA.Direito de imagemGETTY IMAGES

Homenagens rapidamente apareceram nas mídias sociais, incluindo um tuite de Kanye West.

"Eu nunca te disse o quanto você me inspirou quando estava aqui", escreveu West na rede social.





O DJ e produtor musical Diplo disse que o rapper queria que ele e o também produtor Skrillex finalizassem seu próximo álbum.
Pule Instagram post de diplo

Final de Instagram post de diplo

O rapper J Cole elogiou o "enorme talento e potencial ilimitado" de XXXTentacion.

O documentarista Louis Theroux disse: "Apesar dos demônios pessoais, ele era um grande talento e trazia uma sensação nova e bonita ao hip hop. Tão triste".

Sob suspeita: Empresa que fez doação à campanha de Rollemberg fatura com o Aterro Sanitário



Sob suspeita: Empresa que fez doação à campanha de Rollemberg fatura com o Aterro Sanitário

Ricardo Callado

Uma doação oportuna e um contrato que não cheira bem

O jornalista Francisco Dutra, do Jornal de Brasília, revelou na manchete da edição de hoje, sob a manchete: “Algo não cheira Bem: Estrutura e doação põem aterro em xeque”, que uma doação feita pela Construrban ao governador Rodrigo Rollemberg (PSB) está registrada na prestação de contas eleitorais na página eletrônica do Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF). Os recursos foram repassados em duas parcelas. Em 2017, segundo o Sistema Integrado de Gestão Governamental (Siggo), os cofres públicos brasilienses destinaram diretamente à Construrban R$ 1.398.810,61. No cálculo parcial deste ano, a empresa recebeu R$ 1.861.845,94, até 5 de junho. Veja a íntegra da reportagem:

Por Francisco Dutra – O processo de fechamento do Lixão da Estrutural e abertura do Aterro Sanitário de Brasília não cheiram bem. Na campanha eleitoral de 2014, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) recebeu doação de R$ 700 mil da Construrban Logística Ambiental, empresa participante do consórcio responsável pela operação do novo aterro. A verba foi enviada para o diretório nacional do PSB e aterrissou nas contas eleitorais do então candidato ao Governo do Distrito Federal (GDF).


Em janeiro de 2017, o chefe do Executivo abriu as portas do aterro sem contar com um modelo de coleta seletiva sustentável, fundamental para a sobrevivência dos catadores do antigo Lixão. Resíduos que poderiam ser reciclados passaram a ir para o aterro. A renda dos trabalhadores despencou. O aterro recebe mais material, obviamente ganhando mais dinheiro pelo serviço. Da inauguração da unidade até 5 de junho de 2018, o contrato rendeu cerca de R$ 3,2 milhões à operadora. Justamente a Construrban.

A licitação e o contrato do novo aterro foram selados no governo de Agnelo Queiroz (PT), entre 2010 e 2014. Inicialmente, o valor global da contratação do consórcio formado pelas empresas Construrban, GAE e DBO ficou na casa de R$ 82 milhões, pagos parceladamente por serviços prestados. Contudo, o projeto estava parado por entraves técnicos e jurídicos. A gestão Rollemberg desatou os nós para a abertura da unidade, situada em Samambaia.

A doação feita pela Construrban a Rollemberg está registrada na prestação de contas eleitorais na página eletrônica do Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF). Os recursos foram repassados em duas parcelas. Em 2017, segundo o Sistema Integrado de Gestão Governamental (Siggo), os cofres públicos brasilienses destinaram diretamente à Construrban R$ 1.398.810,61. No cálculo parcial deste ano, a empresa recebeu R$ 1.861.845,94, até 5 de junho.

O fim das atividades do Lixão da Estrutural é uma determinação da Política Nacional de Resíduos Sólidos e também de uma ação judicial proposta pelo Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT). Além da construção do novo aterro, o sepultamento do Lixão inclui outras medidas, entre elas a reacomodação social e financeira dos catadores de lixo, a implantação da coleta seletiva e a recuperação ambiental da região da Estrutural.

No começo deste ano, o GDF fechou o Lixão ao trabalho dos catadores. A unidade recebe ainda restos da construção civil.

Sequência de coincidências cria clima

Sem pré-julgamentos, o cientista político Valdir Pucci julga que o contrato do Aterro e o processo de fechamento do Lixão necessitam de esclarecimentos e análise dos órgãos de controle. Especialmente, por parte de Rollemberg, eleito com a promessa da nova política, livre de negociatas e com a radicalização da transparência.

Sem um olhar aprofundado, a doação para a campanha pode passar despercebida, pelo fato de ter sido endereçada inicialmente para o PSB nacional. “Até 2014, quando uma empresa queria doar para um político sem que ninguém soubesse, fazia isso pelo diretório nacional. Para esconder mesmo. Mas uma resolução da Justiça Eleitoral passou a forçar a especificação da destinação”, explicou.

O especialista lembra que Rollemberg se empenhou muito em destravar o processo de abertura do aterro. E, ao lado da liberação da orla do Lago Paranoá, o fechamento do Lixão será uma das plataformas na campanha do governador para a reeleição neste ano. Mas por outro lado, não mostrou o mesmo empenho para a implantação da coleta seletiva.

Na interpretação de Pucci, caso o governo não dê explicações consistentes e coerentes, Rollemberg vestirá a carapuça da velha política.

Excluída mais de metade dos catadoresFoto: Myke Sena/Jornal de Brasília

Mais da metade dos catadores do antigo Lixão não conseguiu oportunidade nos novos galpões de reciclagem, apresentados pelo governo como alternativa para os trabalhadores. Segundo a presidente da Central das Cooperativas, Aline Souza, 2,5 mil catadores trabalhavam no Lixão na véspera do fechamento. Mas, sem receber a quantidade suficiente de resíduos, os galpões mal comportam 1,2 mil.

“Onde estão os outros? As catadoras de mais idade foram excluídas. Algumas puxam carrinhos nas ruas”, lamentou Aline. A presidente da Central não questiona o fechamento do Lixão, mas a forma como o GDF fez a ação. ”Não incluíram os catadores. A gente sempre sobreviveu. Quem perde mais é toda Brasília e o meio ambiente. Está tudo indo para o aterro e vai prejudicar Samambaia”, criticou.

Pelas contas de Aline, a coleta seletiva do GDF é feita por peso. Por isso, o material recolhido é amontoado e perdido. Com isso, em média, 70% vira rejeito e somente 30% vai para os galpões. Por outro lado, quando cooperativas e associações fazem a coleta indo por rotas e com cuidado conseguem salvar 70% do material para a reciclagem.

Para complementar a renda, os catadores começaram um movimento para fechar contratos diretamente com condomínios e empresas. Enquanto isso, a fila por emprego nos galpões é sofrida.

A presidente da Cooperativa de Reciclagem Ambiental da Cidade Estrutural e da Associações de Reciclagem Ambiental Vencendo os Obstáculos, Lúcia Fernandes, trabalha com 98 cooperados, mas outros 82 esperam uma oportunidade. Em um mês menos ruim a cooperativa recicla 60 toneladas, mas com a coleta seletiva real, trabalhariam 360 toneladas.

“A Política Nacional de Resíduos Sólidos diz que o governo deveria incluir os catadores, trazer a coleta para todo DF, fechar o Lixão e no fim inaugurar o novo aterro. Colocaram a carroça na frente dos burros”, argumentou.

Drama semelhante vive a presidente da cooperativa Construir, Zilda Fernandes. Teoricamente, o galpão onde trabalham deveria vender 200 toneladas recicladas por mês, mas sobrevive apenas com 50 toneladas. Por isso, o grupo emprega 80 pessoas. Com a coleta real poderia dar chance para mais 65.

“Estamos ficando cansados. É muita falta de respeito do governo. Para você ver, o governo dava para a gente duas bolsas para complementar a nossa renda. Dava R$ 660. Mas suspendeu um auxílio de R$ 300”, lamentou. Além da redução do apoio, Zilda também critica a ausência de prensas nos galpões do governo. O lixo prensado vale mais e ocupa menos espaço.

Buriti e empresa garantem que não há qualquer irregularidade

Governo e Construrban negam qualquer irregularidade no contrato do Aterro Sanitário de Brasília. “Todas as doações recebidas pelo governador Rodrigo Rollemberg foram legais e obedeceram às regras determinadas pela Justiça Eleitoral. A doação de R$ 700 mil citada foi realizada por meio da executiva nacional do PSB. Ou seja, a empresa fez a doação ao partido e não ao candidato”, argumentou o Palácio do Buriti, em nota.

Segundo a gestão Rollemberg, a licitação foi em 2014, no governo passado. Por isso, diz a versão governista, não há vinculo entre a doação e a detenção do contrato, atualmente em execução. O Executivo ressaltou que o contrato cobre implantação, operação e manutenção do novo aterro.

Pelas contas do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), o valor atualizado dos pagamentos para a Construrban é de R$ 3.569.667,54. O aterro teria começado as atividades trabalhando com um terço do lixo produzido pelo DF. Agora, opera com a totalidade dos resíduos gerados, perto de 2.500 toneladas, diariamente. Por isso, houve o aumento de repasses.

“O SLU esclarece que o aumento da carga de lixo no aterro sanitário não significa fracasso da política de coleta seletiva, que foi ampliada nos últimos anos. Atualmente, 25 regiões administrativas contam com o serviço, realizado pela empresa Valor Ambiental ou por cooperativas”, completa a nota.

Na nota, o governo declara que trata com prioridade a inclusão dos catadores, proporcionando instalações e equipamentos adequados. Pelas estimativas do GDF, as cooperativas recebem 100 toneladas diárias de coleta seletiva. O Executivo também trabalha na licitação de novos contratos de limpeza urbana para ampliar a coleta.

“A Bolsa Agentes de Cidadania Ambiental, no valor de R$ 300, foi concedida durante doze meses, entre janeiro e dezembro de 2017, em caráter transitório, para apoiar os catadores no período de fechamento do lixão e adaptação ao trabalho nos galpões. A Bolsa Compensação Financeira, de R$ 360,75, continua sendo paga. Vale ressaltar que, além da bolsa, as cooperativas recebem até R$ 350 por tonelada triada, além do produto da venda do material”, ponderou o GDF.

A apuração desta reportagem começou em março deste ano. Na época, a Construrban respondeu aos questionamentos do Jornal de Brasília por nota. Antes do fechamento desta matéria, o JBr procurou a empresa mais uma vez, para saber se haveria mudança de posicionamento. Não houve nova resposta. As alegações da Construrban, a seguir, estão em nota enviada pela empresa em 13 de março.

A Construrban também destacou que a licitação e o contrato atual foram feitos no governo passado. “A licitação foi pelo critério de menor preço e nosso consórcio do qual temos apenas 30% foi o vencedor. Essa licitação foi questionada e julgada regular pelo Tribunal de Contas e pelo Tribunal de Justiça. A gestão do contrato é do Consórcio. Fizemos as obras todas com recursos próprios. Somente em 2018 começamos a receber a totalidade dos resíduos”, afirmou a empresa.

Questionada se teria outros contratos com o atual governo, a Construrban afiançou que não tem outra contratação com o GDF.

Saiba mais

– Na edição de 14 de junho de 2018, o Jornal de Brasília publicou a matéria “Segurança foi embora junto com a desativação do Lixão”. Sem emprego, moradores da Estrutural aderiram ao mundo do crime. Roubos a coletivos aumentaram 355%, a comércios 57% e a pedestres, 53%.

– O crescimento das remessas de lixo que poderia ser reciclado pelos catadores para o novo aterro foi noticiado na reportagem “Aterro só dá certo com consciência”, publicada pelo JBr em 11 de junho deste ano.

– Hoje no DF apenas 3% do lixo é reciclado. A conta do Instituto Lixo Zero foi n
oticiada pelo JBr na matéria “Lixo zero: um objetivo possível”, em 6 de junho deste ano.Fonte: https://blogdocallado.com/sob-suspeita-empresa-que-fez-doacao-a-campanha-de-rollemberg-fatura-com-o-aterro-sanitario/